terça-feira, 15 de abril de 2008

Meu ponto é o seguinte

Ainda sem ter descoberto como separar o papel de administradora do blog e de autora, eu, Marília, proponho aqui mais um marcador para nosso espaço Laços & Traços: Pontos. Vamos tentar descrever nos textos classificados por ele que pontos de bordado usamos e, acima de tudo, como fazer cada um deles. Não é tarefa fácil eu presumo, porque, eu mesma, não sei fazer ponto que seja! Verdade verdadeira (risos). O bordado das orquídeas para a colcha do ditchan e da batchan foi um bordadinho dos mais sem-vergonhas, pois não há outra classificação possível. Tentei - e minha paciência sabe o quanto - fazer as linhas coloridas preencherem aos poucos meu modesto único pedaço de pano amarelo claro, mas... Oh! Não é que uma impressora matricial com pouca tinta teria feito um trabalho menos econômico em pontos? Meus pontos ficaram mais parecendo traços. Para valer, à parte o trocadilho com o nome desse blog. Como desejo muito que outras bordadeiras mais competentes dêem continuidade aos textos sob o marcador Pontos, descreverei agora meu ponto-traço. Ele é muito simples: basta enfiar uma agulha, já devidamente carregada com a linha na cor desejada, pela parte de baixo do pano que se está bordando e depois mergulha-se a dita cuja de volta por cima depois de ter sido dada a distância que se deseja entre a origem e o destino final do ponto. E assim por diante, seguindo uma espiral e fazendo com que a cadeia de pontos corra o máximo em paralelo que dê, é possível preencher até que relativamente rápido uma boa superfície. Parece brincadeira, mas saibam que foi depois de muitos chiados e bufadas e quase lágrimas que cheguei à conclusão de que para dar conta de um espaço daquele tamanho que me coube na colcha do ditchan e da batchan esse era o ponto ideal para mim. Por hora é só. Meu repertório de pontos é pequeno assim mesmo (risos). Os outros que usei, por ventura - ou desventura, em qualquer outro bordado foram obtidos com atenta supervisão e carinhoso estímulo das bordadeiras mais sabidas de plantão. É a essas que apelo com a vontade de quem espera aprender pelo menos na teoria, que ajudem a crescer o número de textos do novo marcador Pontos. Ponto final.

3 comentários:

Anônimo disse...

Pô,tô me parecendo aquelas fofoqueiras de janela comentando tudo q aparece...é q por enqto não sei fazer outra coisa.Maricota,queria te dizer q gostei mt da descrição q vc fez do seu ponto inventado pra bordar a orquidea,podemos batizar esse ponto de "ponto orquidea",q tal?Eu vivo dando oficina de bordado por aí mas nem dou bola pros nomes dos pontos,o bom mesmo é botar a pessoa pra ousar criar o seu ponto no esforço de dar vida à imagem,ao sentimento q a bordadeira quer passar.Mas é legal essa sua ideia de tentar descrever o processo do ponto,o passo a passo do movimento da agulha e da linha comandada pelas mãos bordadeiras.Rió

Marília disse...

Ui, foi muito bom para o ego ouvir sua sugestão tia, mas olha que acho que não dá para tanto (risos). Dá a impressão de que seria uma ofensa para as orquídeas usá-las para batizar um ponto tão "sem vergonha" (mais risos)!

edirle carvalho disse...

Gente,
é a coisa mais linda o blog de vocês. Bom, sou meio suspeita, porque a Tô é minha amigona do peito e da alma, e vocês são essa família imensa e bordadeira que ela tem.
Vou repassar o espaço de vocês para o Revivir de Temuco, Chile, que é a entidade de apoio psicoterapéutico a pessoas com câncer que ajudei a criar lá naqueles confins.
Tenho certeza que eles copiarão a idéia, e tomara que possam fazer algo em conjunto, tão sanador como este simples ato humano, de pegar uma agulha, um pedaço de pano, linha, e deixar a vida tomar conta de cada ponto...
Adorei, adorei!!! Tô morta de inveja...
Edirle