segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Sobre bastidor e outros

Oi, galera do Laços, eu cheguei sábado à noite, após 2 meses e meio pelas terras espanholas. Meu coração ficou apertado pois convivi muito intensamente com a Mimi, Nani e os meus fôfos netinhos Paulinha e Luís. Por outro lado, quase explodi de emoção quando vi do avião o mar de luzes dessa nossa cidade louca mas que tanto amo, dei tanta bandeira que até a aeromoça percebeu, deu pra entender mais a dose de saudade que a Mimi sente do Brasil e da família em particular. Bem, no dia seguinte, domingo, já fui filar bóia na Yuko (ai que delícia comer feijão, arroz, farofa...) e entreguei a letra R e o O da Mimi, além do quadrado da colcha-família encomendada pela Mimi e a turma comentou: "Chii, chegou a capataz dos bordados, será que tenho de acelerar a minha parte?" quem quiser que bote a carapuça, ha, ha, ha.
Queria falar sobre o bastidor, assunto trazido pela Marília. Ainda não elaborei uma tese mas eu não sou adepta do uso de bastidor. Mesmo com cara de repolho, eu acho mais legal bordar sem bastidor. Claro que dá pra perceber as rugas nos bordados das iniciantes quando feitos sem o dito cujo. Mas eu acho lindo, fica bem visível que o bordado foi feito com as mãos e não na máquina. O bastidor estica o pano mas tem o inconveniente de tirar a visão do conjunto, tem que ficar delocando aquelas bolas toda hora. E tem mais, o bastidor tira a possiblidade de voce sentir bem a textura do pano, a interação entre os fios de linha com a superfície do tecido... Que me perdoem os fabricantes de bastidor, mas eu defendo o bordado livre e solto. Me perdoe também a Maricota com essa contra propaganda mas antes de mais nada eu acho que você deve experimentar e ver se vale a pena. No próximo encontro podemos debater esse tema, pode ficar bem divertido e interessante. Rioco

Um comentário:

Marilia disse...

Oi, tia! Bem-vinda de volta (largo sorriso)! Realmente o bastidor faz mais parte da minha fantasia de bordado do que da minha prática (risos). Vamos ver se uma não vai decepcionar a outra depois que eu usar e já estou atrasada: tem o O, tem o bordado da colcha da família para a Mimi, tem o livro do Iago... Chiii acho que vou precisar mesmo de uma capataz da agulha para dar conta de tudo isso (mais risos). Um grande beijo, Marília